Domingo, 10 de Dezembro de 2006

viste ?





Viste a noite a passar ? viste.. tinha umas meias riscadas de prata e uma capa quentinha de breu acolhedor, viste-a, não? Já lá vai , pode ser que da próxima vez tenhas mais atenção e a consigas ver, sabes, o orgulho por vezes não nos deixa ver o que temos perante nós, mas sim, é um pormenor, tenho a certeza que a vais ver numa outra noite.



Esse orgulho que te falo, é como um cemitério de emoções, mutiladas e esquecidas, atoladas em desculpas justas e injustas, propicias ao mal entender e ao recalcar complexado de medos supérfluos, não te lembras de ser assim? Pois.. claro que não, nem te podes lembrar, por ti nunca foste não é, tinhas razão no que fazias e dizias.. claro, essa é uma das grandes vantagens de um orgulho abonado de teimosia satírica, acredita, não há ninguém que te possa gozar mais que o teu próprio orgulho..


 
Olha ali.. repara, lá vai ele.. viste-o? Ali… passou, era o dia, não o viste, vestido de ouro e sedas? ia atrás da noite, tenta sempre apanha-la, diz-se que ela o cativou com a sua beleza, não sabias.. é.. O dia é um amante da noite. Um dos muitos que se entrega sempre a ela, fica ali, permanecendo em seus braços, envolto em brumas de serenidade, ouvindo todas aquelas criaturas que não ousam chegar perto dele durante o seu auge... não o viste pois não ? .. pois.


 
Convenceste-te que o dia é só aquilo que tu vês.. só aquilo que tu consegues ver, dizes-te cego pela luz, e que pouco mais há para ver em algo tão vasto como o universo, limitado pelo teu pequeno mundo não esperava mais de ti, abre os olhos pequena criatura, porque tudo o que te rodeia muda a cada instante da tua vida, e tu com ela, não deixes o teu orgulho cegar-te mais que a luz do dia, permite-te ver através dele.


 
.. olha. Olha aquele ali. Viste-o… aquele que caminha por entre os ventos e os tempos.. estas a ver ? ali. Não? Como não o vês, aquele ali a cantar? Não ? . aquele é o louco, corre sempre atrás dos dois, da noite e do dia, parece nunca os querer perder, nunca os quer deixar passar, mas anda sempre atrás deles.. sempre com eles, louco é o que lhe chamam , mas ele sabe o que faz, traz com ele pouca coisa, só o que com ele pode levar sem o atrasar, olha tudo de frente com um sorriso idiota e segue.. Segue sempre. É louco o que se há de fazer. É ele que faz as mascaras dos homens, nos breves momentos que tem de descanso, artífice da saudade e do desespero.

De que te ris? Dele.. sim, calculei que te risses, é louco não é, tu não gostavas de ser assim pois não ?

Escrito por Alma às 17:45
lnk | Escritos favoritos
De Shell a 15 de Março de 2007 às 19:04
Knock Knock
Knock Knock
Knock Knock Knock

Tá aí alguém?


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Quem sou ?


ver Alma

seguir perfil

. 1 seguidor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Ultimos escritos

Seria por um dia...

O peso de pó acumulado...

Filhos de Putagal

passagem...

... Fim?

Saudade incompreendida...

viste ?

Nao esqueci...

Coisa Nenhuma

... e o tempo quando pass...

O nosso Portal


Pórtico

tags

todas as tags