Domingo, 10 de Dezembro de 2006

viste ?





Viste a noite a passar ? viste.. tinha umas meias riscadas de prata e uma capa quentinha de breu acolhedor, viste-a, não? Já lá vai , pode ser que da próxima vez tenhas mais atenção e a consigas ver, sabes, o orgulho por vezes não nos deixa ver o que temos perante nós, mas sim, é um pormenor, tenho a certeza que a vais ver numa outra noite.



Esse orgulho que te falo, é como um cemitério de emoções, mutiladas e esquecidas, atoladas em desculpas justas e injustas, propicias ao mal entender e ao recalcar complexado de medos supérfluos, não te lembras de ser assim? Pois.. claro que não, nem te podes lembrar, por ti nunca foste não é, tinhas razão no que fazias e dizias.. claro, essa é uma das grandes vantagens de um orgulho abonado de teimosia satírica, acredita, não há ninguém que te possa gozar mais que o teu próprio orgulho..


 
Olha ali.. repara, lá vai ele.. viste-o? Ali… passou, era o dia, não o viste, vestido de ouro e sedas? ia atrás da noite, tenta sempre apanha-la, diz-se que ela o cativou com a sua beleza, não sabias.. é.. O dia é um amante da noite. Um dos muitos que se entrega sempre a ela, fica ali, permanecendo em seus braços, envolto em brumas de serenidade, ouvindo todas aquelas criaturas que não ousam chegar perto dele durante o seu auge... não o viste pois não ? .. pois.


 
Convenceste-te que o dia é só aquilo que tu vês.. só aquilo que tu consegues ver, dizes-te cego pela luz, e que pouco mais há para ver em algo tão vasto como o universo, limitado pelo teu pequeno mundo não esperava mais de ti, abre os olhos pequena criatura, porque tudo o que te rodeia muda a cada instante da tua vida, e tu com ela, não deixes o teu orgulho cegar-te mais que a luz do dia, permite-te ver através dele.


 
.. olha. Olha aquele ali. Viste-o… aquele que caminha por entre os ventos e os tempos.. estas a ver ? ali. Não? Como não o vês, aquele ali a cantar? Não ? . aquele é o louco, corre sempre atrás dos dois, da noite e do dia, parece nunca os querer perder, nunca os quer deixar passar, mas anda sempre atrás deles.. sempre com eles, louco é o que lhe chamam , mas ele sabe o que faz, traz com ele pouca coisa, só o que com ele pode levar sem o atrasar, olha tudo de frente com um sorriso idiota e segue.. Segue sempre. É louco o que se há de fazer. É ele que faz as mascaras dos homens, nos breves momentos que tem de descanso, artífice da saudade e do desespero.

De que te ris? Dele.. sim, calculei que te risses, é louco não é, tu não gostavas de ser assim pois não ?

Escrito por Alma às 17:45
lnk | Escritos favoritos
De Shell a 15 de Março de 2007 às 18:30
Muito bom este texto. Assim como este blog... Só é pena não nos proporcionares mais leituras destas. Tenho saudades de ler os teus posts...

Que tens feito? Desapareceste? Emigraste? Mudaste de planeta?

Volta... please please please...

Ohhhh vá lá, escreve qualquer coisita...

Beijinho


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Quem sou ?


ver Alma

seguir perfil

. 1 seguidor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Ultimos escritos

Seria por um dia...

O peso de pó acumulado...

Filhos de Putagal

passagem...

... Fim?

Saudade incompreendida...

viste ?

Nao esqueci...

Coisa Nenhuma

... e o tempo quando pass...

O nosso Portal


Pórtico

tags

todas as tags